Partilhe

Planta de Localização Baixa Pombalina – Área Classificada e Zona de Proteção

Existente

Existente

Existente

Existente

Planta Frações Proposto E Existente

Vista Rua de Santa Justa

5º Piso A Sala

5º Piso A Sala

5º Piso A Sala

5º Piso A Cozinha

5º Piso A Cozinha

5º Piso A Quarto

5º Piso A Armário

5º Piso B Sala

5º Piso B Átrio Entrada

5º Piso B Instalação Sanitária

5º Piso B Instalação Sanitária

2º Piso C Sala

2º Piso C Sala

2º Piso C Sala

1º Piso A Sala

1º Piso A Sala

1º Piso A Cozinha

2º Piso A Sala

3º Piso C Sala

Detalhe Frescos originais

3º Piso A Sala

4º Piso B Quarto

4º Piso B Sala

Escada Acesso comum

Piso Térreo Acesso Edifício

Vista Rua dos Douradores e Rua de Santa Justa

Vista Rua de Santa Justa

Douradores

O edifício, alvo de intervenção, foi construído no primeiro quartel do séc. XIX no gaveto do quarteirão da rua dos Douradores e a rua de Santa Justa em plena Baixa Pombalina de Lisboa.
Em 2016, quando se iniciou o projeto de reabilitação, o edifício encontrava-se praticamente devoluto. Os três apartamentos com moradores eram habitados em condições totalmente precárias. As infraestruturas de águas e eletricidade, que não existiam no edifício original, estavam em total degradação.
As condições estruturais do edifício encontravam-se bastante fragilizadas devido à demolição de paredes resistentes ao nível do piso térreo. Estas demolições provocaram o assentamento dos pavimentos de todos os apartamentos, criando desníveis que em alguns compartimentos atingiam 20 cm.

Tirando partido da situação de gaveto do edifício e possuir 2 frentes de rua propôs-se a alteração de dois apartamentos para três apartamentos por piso, mantendo a estrutura Pombalina original de sucessão de espaços.
De modo a responder às exigências contemporâneas de conforto e mobilidade, introduziu-se um elevador numa zona central do edifício, salvaguardando a integridade da caixa de escadas original.

A primeira fase de obra do edifício iniciou-se em 2017 com o objetivo de corrigir as deficiências estruturais, reabilitar a cobertura e uma das lojas do piso térreo.
Com a conclusão da primeira fase as obras pararam durante seis meses. Nesse interregno, para além das sondagens estruturais, solicitaram-se sondagens ao nível dos frescos, pinturas parietais e de tetos.

As sondagens parietais vieram a confirmar a existência de sucessivas camadas de frescos e pinturas a têmpera em todos os apartamentos do edifício.
Ficou nessa altura evidente que os frescos escondidos durante décadas por trás das sucessivas camadas de pinturas deveriam ser revelados e que a sua preservação era uma das questões mais relevantes de todo o processo de intervenção.
Todo o projeto de execução já desenvolvido teve de ser reajustado para impedir qualquer roço nas paredes, tal como acontece numa obra convencional. Procuraram-se novos caminhos para as infraestruturas nos tetos e nos pavimentos.
Decidiu-se também não proceder ao restauro dos frescos, nem hierarquizar as diferentes campanhas. Optou-se por deixar os vestígios sobrepostos, incompletos, com falhas. Procurou-se expor a complexidade do edifício revelando a multiplicidade das suas transformações ao longo do tempo.

Localização Rua dos Douradores, Lisboa, Portugal
Projeto 2020
Cliente Privado
Arquitetura José Adrião – Coordenação
Ricardo Aboim Inglez – Chefe de Projeto
Ana Grácio, Gonçalo Ponces, João Albuquerque Matos, Margarida Pereira, Tomás Forjaz
Estabilidade ARA – Alves Rodrigues Associados
Especialidades Pensamento Sustentável

Empresa de Construção 1a fase VPS
Fiscalização 1a fase Teixeira Trigo

Empresa de Construção 2a fase X-Log

Fiscalização 2a fase HP Engenharia

Fotografia Existente Hugo Santos Silva

Fotografia Obra Nuno Almendra

Fotografia Concluído Fernando Guerra

38.712788,-9.137169
Ver mapa